Residente Carolina realiza estágio nas Comunidades Ribeirinhas

10:03:00



A residente Carolina Iglesias Bacholsky realizou em maio seu estágio nas Comunidades Ribeirinhas,   na Amazônia. Abaixo um breve relato da sua experiência:


Meu estágio optativo ocorreu em comunidades ribeirinhas do estado do Amazonas, através da Unidade de Saúde Fluvial Semsa IV (embarcação catuiara) cedida pelo Tribunal de Justiça que faz duas viagens por mês realizando cerca de quatro mil atendimentos por mês. As comunidades ribeirinhas beneficiadas com o serviço são: Santa Isabel, Nova Esperança do Apuaú, Nova Canaã (Aruaú), Monte Sinai (Igarapé Açú), Nova Jerusalém (Mipindiaú), São Sebastião (Cuieiras), Santa Maria, Costa do Arara e Tupé, localizada ao longo do rio Negro; e as comunidades Nossa Senhora da Conceição (Lago do Arumã), Nossa Senhora do Carmo, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, São Francisco do Caramuri, Ilha do Januário, Monte Horebe (Paraná do Thiago), Mainã, Bonsucesso, São Pedro, Assentamento Nazaré, São Francisco (Guajará) e Jatuarana, localizadas ao longo do rio Amazonas. São disponibilizadas para as comunidades consultas médicas, de enfermagem e odontológicas, ações de imunização, exames dermatológicos, exames laboratoriais, serviço social e entrega dos produtos do programa Leite do Meu Filho. O barco promove atendimento com médicos, enfermeiros, dentistas, técnicos de enfermagem, atendente de consultório dentário, auxiliar de dermatologia clínica, bioquímico, farmacêutico, auxiliar de patologia clínica e assistente social. A UBS Fluvial oferece uma estrutura mínima com consultórios médico, de enfermagem e odontológico; ambiente para armazenamento e dispensação de medicamentos (anti-hipertensivos, hipoglicemiantes, antiparasitários, sintomáticos e outros); laboratório onde são realizados hemograma completo, glicemia em jejum, EAS, EPF, testes rápidos para HIV, sífilis, hepatite B e C e teste rápido para gravidez (planotest); sala de vacina; banheiros; cabines com leitos em número suficiente para toda a equipe; cozinha e sala de procedimentos.
A equipe de saúde foi composta por dois médicos que atendem as demandas programadas, espontâneas e pacientes que não residem na área delimitada para a atuação, três residentes (um residente de medicina de família e comunidade e dois de infectologia), três enfermeiros que atendem hipertensos, diabéticos, gestantes e realizam o exame colpocitológico, uma assistente social que atua com o planejamento familiar e programa Leite do Meu Filho, dois dentistas atendendo demandas programadas, espontâneas e pacientes de outras comunidades que não abrangem a área de atuação da equipe, duas técnicas de enfermagem que atuam realizando vacinações em crianças, gestantes, idosos, um farmacêutico que realiza a dispensação dos medicamentos, um farmacêutico bioquímico que realiza os exames laboratoriais solicitados pelos outros profissionais da equipe, um técnico patologista que auxilia nos exames dermatológicos para lesões suspeitas de doenças tropicais e dois técnicos de higiene bucal que auxiliam nos atendimentos dos dentistas.

Atividades Desenvolvidas
A embarcação Catuiara saiu do porto da cidade de Manaus rumo às comunidades ribeirinhas ao longo do rio Amazonas. No dia seguinte iniciou-se o atendimento médico na primeira comunidade, São Francisco do Caramuri, no centro social devido o posto de saúde sem energia elétrica. Foram distribuídas 60 fichas de atendimento médico divididas em 30 pacientes para os dois médicos da equipe. Fatos que chamaram à atenção foram a quantidade de pacientes usuários crônicos e dependentes de benzodiazepínicos, o centro social era ao ar livre, sem paredes, janelas ou compartimentos impossibilitando o exame físico de muitos pacientes além da privacidade dos mesmos, havia sempre pacientes que não residiam na área de abrangência da comunidade que iam para serem atendidos devido à dificuldade para chegar à capital do estado (dificuldades econômicas e de transporte) logo sempre eram atendidos mais de 60 pacientes.  Um dia fizemos os atendimentos dentro da embarcação devido à mesma não ter conseguido atracar próximo à comunidade Ilha do Januário devido à época da cheia, logo tiveram menos fichas, pois poucos pacientes conseguiram chegar até onde estava o Catuiara.
A viagem realizada ao longo do rio negro teve início dia 20/05/2015 às 12h30min com a saída da embarcação Catuiara do porto de Manaus. À Tarde foi iniciado atendimento na comunidade do Tupé pelo médico Jorge Guerra que ficou como supervisor e a médica cubana do Mais Médicos Karina Arevalo (fiquei em atendimento com ambos). O esquema de atendimentos foi igual ao do rio amazonas, com os mesmos postos de saúde, a maioria das vezes sem energia elétrica e o mesmo número de atendimentos. Nos dias 24, 25 e 26 de maio, nas comunidades São Sebastião, Santa Maria e Costa do Arara, respectivamente, foi realizado o chamado laboratório onde fizeram visitas domiciliares em pacientes hipertensos, diabéticos, crianças com sequelas neurológicas desde o nascimento e vacinação contra a gripe (H1N1) em pacientes com doenças crônicas, idosos e crianças. 
 Conclusão
O estágio foi satisfatório, pois serviu para mostrar as diferenças culturais, socioeconômicas, de infraestruturas entre os dois estados e dificuldades que tanto as comunidades ribeirinhas têm de acessar o Sistema Único de Saúde quanto às equipes de saúde do distrito rural em acompanhar com periodicidade, regularidade a população além de ter uma dificuldade grande em relação à prevenção quaternária, solicitação de exames e encaminhamentos necessários. 

Residente - Carolina Iglesias Bacholsky








VEJA TAMBÉM

5 comentários

  1. Muito importante experiências desse tipo que atendem pessoas carentes.

    ResponderExcluir
  2. GOSTARIA DE SABER QUANTO TEMPO VCS PASSAM NOS RIO, OU SEMPRE VOLTAM NO MESMO DIA PRA CIDADE?

    ResponderExcluir
  3. Olá, bom dia! A rotina do trabalho é definido pela equipe de saúde de cada unidade Ribeirinha.

    ResponderExcluir
  4. Ola. Gostaria de saber como você realizou este estágio, como entrou em contacto com o Dr Jorge Guerra. (Eu queria fazer isso também! Que é necessário??)

    ResponderExcluir
  5. Olá Ines, bom dia!O programa das comunidades Ribeirinhas é uma das opções disponibilizadas pelo PRMFC. Oferecemos oportunidade de estágios no exterior, no Brasil, população em situação de rua e, também, nas comunidades ribeiras. O residente participa mas todo o acordo, formato, disponibilidade é feito pelo programa aos seus residentes. Se precisar de mais informações mende um e-mail que tentaremos ajudá-la.

    ResponderExcluir